Publicidade

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Usando o iOS Simulator sem abrir o Xcode

Até pouco tempo atrás, o ambiente de desenvolvimento de aplicativos da Apple, o Xcode, era uma suíte composta de vários aplicativos. Um deles era o iOS Simulator, que, como o nome indica, simula um aparelho com iOS, seja iPhone ou iPad, em suas várias versões. Após liberar o iOS 6, a Apple resolveu limar alguns destes aplicativos, e empacotar os restantes dentro do Xcode. Agora o Xcode é um aplicativo só, e o iOS Simulator é acionado de dentro dele.

Estou desenvolvendo um sistema em ambiente web, que o cliente deve usar também em tablets. Como ainda não tenho a minha, quero usar o iOS Simulator para testar o funcionamento do sistema no iPad. E agora? Tenho que abrir o Xcode e criar um projeto de teste apenas para poder abrir o iOS Simulator? Não necessariamente. Aí é que está a beleza dos aplicativos para OS X: quando a Apple empacotou o iOS Simulator no Xcode, empacotou mesmo, literalmente!

É fácil abrir apenas o iOS Simulator usando a dica simples abaixo. Não esqueça, você vai acessar arquivos sensíveis do Xcode, portanto, seja cuidadoso.

Passo 1:
No Finder, clique com o botão direito do mouse no aplicativo “Xcode.app”. Selecione a segunda opção no menu, “Mostrar Conteúdo do Pacote”.


Passo 2:
Na pasta “Contents”, navegue para “Applications”, e execute o atalho “iPhone Simulator.app”, que a despeito do nome antigo abre o nosso iOS Simulator.


Passo 3 (opcional):
Se você vai utilizá-lo com frequência, convém incluir o atalho no Dock, com os comandos que você já deve conhecer: clique com o botão direito no ícone do aplicativo no Dock, menu “Opções”, clique em “Manter no Dock”.


Pronto! Agora o acesso ao iOS Simulator fica ao alcance de um clique. Dúvidas? Sugestões? Comente!

\\//_

domingo, 25 de novembro de 2012

GP do Brasil 2012

O tempo resolveu atender aos pedidos do público e do Alonso, e a corrida começou com chuva. Ainda que fraca a princípio, ela já parecia que se manteria constante. A direção de prova não alterou o procedimento de largada por causa da chuva. Massa largou muito bem, pulando para 2º, mas aparentemente sem desempenho perdeu a posição para o Weber. Não sem antes ajudar o Alonso, outro que fez ótimo largada, a conseguir o 3º lugar.

Enquanto isso, lá trás, Vettel começava a tirar as mãos da taça: ele envolveu-se em um acidente com o Senna, caiu para último, e parecia ter problemas no carro até marcar uma volta mais rápida. Com 5 voltas, a chuva apertou e a pista ficou bem molhada, e os pneus para pista seca não seguravam mais os carro na pista. Na volta 7 Vettel já era o 11º. Enquanto isso, as McLarens alternavam-se na ponta.

Na volta 8, Vettel já estava em 7º. A TV mostrava todos com muita dificuldade em manter os carros em linha reta. Na volta 9, Vettel alcançou o 6º lugar, e começou a perseguir o Massa. Após alguns carros do pelotão do meio testarem com sucesso os pneus intermediários, as equipes grandes resolveram chamar seus pilotos. Alonso e Vettel fizeram suas paradas ao mesmo tempo, mas o espanhol conseguiu sair em 12º, com o alemão em 17º.

Button e Massa permaneceram na pista com pneus para pista seca, apostando no fim da chuva. A chuva, faceira, caía mais em um ponto da pista do que outros, que estavam quase secos. A diferença de tempos entre os pneus de pista seca e intermediários oscilava bastante, até que a chuva apertou de vez. Massa foi aos boxes, retornando com intermediários, enquanto que Hulkenberg e Button brigavam pela ponta, ainda com os pneus da largada.

Na volta 17, mais uma pausa da chuva, Alonso era o 4º, com Vettel logo atrás dele. Com a pista já formando um trilho seco, Hulkenberg finalmente conseguiu superar o Button, e assumiu o 1º lugar. Logo a seguir, Hamilton, Alonso e vários outros foram aos boxes colocar os pneus para seco, mas Vettel permaneceu na pista por 2 voltas a mais antes de também fazer o mesmo. Massa foi novamente aos boxes em seguida.

O safety car foi lançado na volta 23, para retirar vários detritos da pista. Ao mesmo tempo, a chuva voltou a cair, fraquinha. Após a saída do carro de segurança, algumas voltas depois, a chuva continuava, mas não o suficiente para molhar o trilho formado na pista. Na volta 33, Massa usou o seu conhecimento privilegiado do traçado brasileiro e passou o Vettel, jogando o alemão para 7º. Algumas voltas depois, Massa passou também o Kobayashi, encostando no Alonso, que era o 4º.

Após pouco mais de 20 voltas sem acontecer muita coisa, a chuva voltou para a festa. Com a pista molhada, Hulkenberg errou e permitiu a ultrapassagem do Hamilton. Na volta 52, os primeiros começaram a ir aos boxes para colocar novamente os pneus intermediários. Vettel parou na volta seguinte, mas colocou pneus para pista seca ainda, apostando no fim da chuva.

Na volta 55, Hulkenberg tentou retomar o 1º lugar, mas atrapalhado por retardatários e pela pista molhada acabou batendo no Hamilton, tirando apenas o inglês da corrida. Na volta seguinte, Vettel arrependeu-se e voltou para os boxes, para colocar os intermediários, no que foi imitado a seguir pelo Massa. Enquanto Alonso também parava, Vettel desesperou-se e forçou uma ultrapassagem sobre o Kobayashi, alcançando o 10º lugar.

Hulkenberg, que tinha conseguido manter o 2º lugar, atrás do Button, tomou uma punição pela batida com o Hamilton. Após o piloto da Force India cumprir a punição, passando pelos boxes, Massa assumiu a 2ª posição, e Alonso a 3ª. Na volta 62, Massa reduziu bastante o ritmo, e Alonso ficou com o 2º lugar. Um pouco depois, Vettel passou o Shumacher e assumiu o 6º posto.

Faltando apenas 2 voltas, Di Resta rodou e bateu no início da reta dos boxes, provocando novamente a entrada do safety car. O carro de segurança voltou aos boxes logo antes da bandeirada, somente para não aparecer na foto. Button venceu, com Alonso em 2º e Massa em 3º. Vettel passou em 6º, o que lhe garantiu o tricampeonato com 3 pontos de vantagem. Ele se torna o tricampeão mais jovem da história da F1. E somente ele, Shumacher e Fangio conseguiram tall feito em sequência. O resultado final:

1 Jenson Button (McLaren-Mercedes)
2 Fernando Alonso (Ferrari)
3 Felipe Massa (Ferrari)
4 Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
5 Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)
6 Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
7 Michael Schumacher (Mercedes)
8 Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)
9 Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
10 Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
11 Vitaly Petrov (Caterham-Renault)
12 Charles Pic (Marussia-Cosworth)
13 Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
14 Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
15 Nico Rosberg (Mercedes)
16 Timo Glock (Marussia-Cosworth)
17 Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)
18 Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)
19 Paul di Resta (Force India-Mercedes)
Ret Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)
Ret Romain Grosjean (Lotus-Renault)
Ret Pastor Maldonado (Williams-Renault)
Ret Bruno Senna (Williams-Renault)
Ret Sergio Perez (Sauber-Ferrari)

F1 agora, só no ano que vem. Até lá!

\\//_

sábado, 24 de novembro de 2012

GP do Brasil 2012 - Treino classificatório

O campeão de 2012 começou a ser definido hoje. Alonso precisa desesperadamente largar o mais à frente possível, e torcer pela chuva. Vettel, pelo contrário, prefere a pista seca. O treino começa favorecendo ao espanhol, com pista molhada e chovendo, mas diminuindo.

As equipes nanicas mandaram seus carros à pista primeiro, com pneus para pista seca, que claramente não era o ideal. Os primeiros carros rápidos com pneus intermediários foram os da Force India, seguidos pelas Williams. Logo depois a Red Bull resolveu mandar seus carros à pista, com pneus para pista seca. Na metade do treino, todos os pilotos já estavam na pista. No finalzinho do Q1 a chuva parou, e a pista melhorou bastante. Os mais rápidos foram Hamilton, Senna e Button, enquanto que os eliminados foram Grosjean, Petrov, Kovalainen, Glock, Pic, Karthikeyan e De La Rosa.

O Q2 começou com a pista já bastante seca. A Ferrari não deu bobeira e foi uma das primeiras equipes a liberar seus carros. Ao contrário da Red Bull e da McLaren, que ficaram guardando seus bólidos até restar apenas 7 minutos de treino, contando (e torcendo) que a chuva não retornari. Os mais rápidos foram Vettel, Hamilton e Button. Os mais lentos, Di Resta, Senna, Perez, Shumacher, Kobayashi, Riccardo e Vergne. A Ferrari acabou passando sufoco, com Alonso em 9º e Massa em 10º, quase ficando de fora do Q3.

A última e decisiva parte novamente não teve chuva. A briga pela pole ficou entre Hamilton e Hamilton: ou seja, não teve disputa. Possivelmente sentindo a pressão do favoritismo, Vettel foi apenas o 4º. O que não foi ruim, já que Alonso conseguiu apenas o 8º tempo, enquanto que Massa novamente foi melhor do que ele, com o 5º. Será que a Ferrari vai tentar uma marmelada de novo? Na entrevista à Globo, Massa negou veementemente a possibilidade. E a chuva, vai comparecer na corrida e embolar tudo? Respostas amanhã, na decisão do campeonato, às 14h. O grid completo:

1 Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)
2 Jenson Button (McLaren-Mercedes)
3 Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
4 Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
5 Felipe Massa (Ferrari 1:16.263)
6 Pastor Maldonado (Williams-Renault)
7 Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)
8 Fernando Alonso (Ferrari)
9 Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
10 Nico Rosberg (Mercedes)
11 Paul di Resta (Force India-Mercedes)
12 Bruno Senna (Williams-Renault)
13 Sergio Perez (Sauber-Ferrari)
14 Michael Schumacher (Mercedes)
15 Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
16 Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
17 Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)
18 Romain Grosjean (Lotus-Renault)
19 Vitaly Petrov (Caterham-Renault)
20 Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
21 Timo Glock (Marussia-Cosworth)
22 Charles Pic (Marussia-Cosworth)
23 Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)
24 Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)

\\//_

domingo, 18 de novembro de 2012

GP dos EUA 2012

É necessário reconhecer que a Ferrari é uma equipe que não tem absolutamente medo algum de polêmicas. Após o mal treino do Alonso ontem, a equipe tomou uma decisão que, embora absolutamente dentro do regulamento, passa longe do que é considerado “ético”: violou o lacre da caixa de câmbio do carro do Massa, fazendo com que o brasileiro fosse punido com a perda de 5 posições no grid, e consequentemente dando uma posição a mais ao Alonso. O câmbio do Massa não foi trocado, e o carro dele está melhor do que o do Alonso. A decisão até faz sentido, o Alonso precisa ser favorecido o máximo possível para permanecer na luta pelo título. Mas prejudicar tão deliberadamente um piloto para favorecer o outro… no mínimo, ficou muito feio!

A largada nos EUA foi absolutamente limpa. Alonso largou muito bem, pulando de 7º para 4º. Algumas ultrapassagens no pelotão intermediário, umas voltas depois, e Hamilton aumentou o ritmo, chegando a armar uma ultrapassagem sobre o Vettel, mas sem sucesso. Um pouco depois, o carro do Webber deu uma mãozinha para o Alonso quebrando.

Na volta 20 começaram os pits, e quem se deu mal foi o Alonso, que após voltar à pista com os pneus frios, perdeu a posição para o Button, que não parou. Em bom ritmo de corrida, após fazer seu pit o Massa conseguiu estabelecer-se na 6ª posição. Na volta 33, Hamilton resolveu retomar a perseguição ao Vettel.

Hamilton marcou seguidas vezes a volta mais rápida, pressionou, ameaçou, mas não conseguiu, e o Vettel ainda respondeu e marcou a volta mais rápida também. Após o Button finalmente fazer seu pit stop, e com uma ultrapassagem sobre o Raikkonen, Massa chegou ao 4º lugar. Na volta 42, Hamilton finalmente conseguiu passar o Vettel. O alemão preferiu não dificultar, pensando no campeonato.

No final, a única disputa foi entre Hamilton e Massa, para ver quem sairia com a volta mais rápida, mas quem acabou com ela foi o Vettel. Hamilton venceu, com Vettel em 2º e Alonso completando o pódio. Massa fez uma ótima corrida, terminando em 4º. Não fosse a estratégia da Ferrari, seria Massa no pódio, e o Alonso em 4º, possivelmente. Alguns pontos a mais que podem fazer diferença. O resultado final:

1 Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)
2 Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
3 Fernando Alonso (Ferrari)
4 Felipe Massa (Ferrari)
5 Jenson Button (McLaren-Mercedes)
6 Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
7 Romain Grosjean (Lotus-Renault)
8 Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)
9 Pastor Maldonado (Williams-Renault)
10 Bruno Senna (Williams-Renault)
11 Sergio Perez (Sauber-Ferrari)
12 Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
13 Nico Rosberg (Mercedes)
14 Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
15 Paul di Resta (Force India-Mercedes)
16 Michael Schumacher (Mercedes)
17 Vitaly Petrov (Caterham-Renault)
18 Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
19 Timo Glock (Marussia-Cosworth)
20 Charles Pic (Marussia-Cosworth)
21 Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)
22 Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)
Ret Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
Ret Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)

A decisão do campeonato, como se esperava, ficou para Interlagos, já na semana que vem.

\\//_

sábado, 17 de novembro de 2012

GP dos EUA 2012 - Treino classificatório

A estreante e promissora pista de Austin, no estado americano do Texas, recebe pela primeira vez a F1. O Circuito das Américas foi construído especialmente para receber esta corrida, e possui um traçado desafiador que deve favorecer uma boa disputa. Assim como Interlagos, a pista possui muitas diferenças de altitude, além de também ser em sentido anti-horário. Parece um circuito a altura do mítico Indianápolis, última sede do GP dos EUA.

E, a despeito do inclemente sol texano, o tempo está frio, e o asfalto novo está ainda bastante escorregadio. No Q1, marcaram os melhores tempos Vettel, Hamilton e Webber. Os eliminados foram Ricciardo, Glock, Pic, Petrov, Kovalainen, De La Rosa e Karthykeyan. Rosberg marcou sua única volta rápida segundos após o final do treino, passando por pouco em 17º.

O Q2 teve bronca do Alonso no Shumacher, e a McLaren do Button com problemas. Os melhores foram Vettel, Webber e Massa. E não conseguiram lugar no Q3 Senna, Button, Di Resta, Vergne, Perez, Kobayashi e Rosberg.

Já no Q3, embora o Vettel tenha conquistado a pole, Hamilton mostrou que tem carro e disposição para entrar na disputa, marcando um tempo muito próximo. Resta saber se a McLaren vai resistir a corrida inteira desta vez. Já as Ferraris decepcionaram, conseguindo apenas o 7º tempo com Massa, e o 9º com Alonso. Confira o grid completo:

1 Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
2 Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)
3 Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
4 Romain Grosjean (Lotus-Renault)
5 Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
6 Michael Schumacher (Mercedes)
7 Felipe Massa (Ferrari)
8 Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)
9 Fernando Alonso (Ferrari)
10 Pastor Maldonado (Williams-Renault)
11 Bruno Senna (Williams-Renault)
12 Jenson Button (McLaren-Mercedes)
13 Paul di Resta (Force India-Mercedes)
14 Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)
15 Sergio Perez (Sauber-Ferrari)
16 Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
17 Nico Rosberg (Mercedes)
18 Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
19 Timo Glock (Marussia-Cosworth)
20 Charles Pic (Marussia-Cosworth)
21 Vitaly Petrov (Caterham-Renault)
22 Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
23 Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)
24 Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)

A corrida é amanhã às 17h. Lembrando que a transmissão ao vivo vai ser apenas pelo SporTV.

domingo, 4 de novembro de 2012

GP de Abu Dhabi 2012

Após a punição sofrida no treino classificatório, Vettel largou em último. A despeito do que pensam os que gostam de ver favorecimento à Ferrari e ao Alonso em tudo, a punição foi justa e correta. O regulamento diz que, a qualquer momento do final de semana, os comissários de corrida podem retirar uma amostra do combustível do carro para análise, e para tanto deve sempre restar pelo menos 1 litro no tanque. Por causa de uma falha no motor Renault, assumida pela fábrica, o carro do Vettel não tinha essa quantidade mínima de combustível no tanque. Portanto, mesmo que possa alterar o resultado do campeonato, a FIA precisava cumprir o regulamento e punir o Vettel. A Red Bull reconheceu e assumiu a falha, então, assunto encerrado.

Porém, na corrida, a sorte oscilou entre os dois candidatos ao título. Enquanto Vettel largou em último, Alonso ganhou duas posições. Nas primeiras voltas, Alonso teve dificuldades para manter-se à frente do Webber, enquanto Vettel passou com facilidade pelos carros mais lentos, alcançando até o 11º lugar, mesmo com um pedaço quebrado da asa dianteira.

Na volta 9, o carro do Karthikeyan falhou na reta, e Rosberg o atropelou, batendo fortemente no muro e provocando a entrada do safety car. Mas quando se prensava que Vettel aproveitaria para aproximar-se mais ainda dos líderes da prova, a Red Bull resolveu mudar a estratégia e chamá-lo aos boxes para trocar a asa dianteira e colocar pneus macios. Será que ele não pararia mais e daria o pulo do gato?

Após a saída do safety car, na volta 14, Vettel retornou à sua rotina de passar pelos carros mais lentos. Foi aí que a sorte voltou ao lado do Alonso: na volta 20, Hamilton, que liderava com folga, teve problemas no carro e parou. Raikkonen assumiu a ponta, enquanto que Alonso ultrapassava, finalmente, o Maldonado, e assumiu a 2ª posição. O venezuelano foi superado também pelo Button.

Enquanto isso, a Ferrari do Massa perdia desempenho, e ele perdeu a posição para o Pérez. Depois de algumas voltas, Webber também tentou ultrapassá-lo, e o fez rodar e perder muitas posições. Massa preferiu ir logo aos boxes, e a esta altura Vettel já era o 7º. Senna, em boa prova, era o 9º.

Alonso, após fazer seu pit stop, voltou em 7º - exatamente atrás do Vettel! Com as paradas de Webber, Pérez e Button, Vettel assumiu o 2º lugar, seguido por Alonso. Na volta 32, foi a vez do líder Raikkonen parar nos boxes, retornando ainda em 1º lugar, mas com Vettel bastante próximo. Com a sorte novamente junto ao Vettel, Alonso não conseguiu aproximar-se do alemão e, pelo contrário, começou a ser pressionado pelo Button.

Volta 38, e a sorte retorna ao Alonso. Vendo que não seria possível ir até o final com os pneus macios, e que o carro já começava a perder desempenho, a Red Bull resolveu chamá-lo aos boxes. Ele voltou à pista em 4º.

Na volta seguinte, a sorte mudou mais uma vez de lado: um acidente entre Grosjean, Di Resta, Pérez e Webber provocou uma nova entrada do safety car. Bom para o Massa e o Senna, que entraram na zona de pontuação em 9º e 10º, respectivamente. E o Vettel, de pneus macios novos, teve novamente a chance de conquistar um pódio.

Com nova relargada na volta 43, Raikkonen saiu muito bem e conseguiu abrir um pouco. Na volta seguinte, ele já marcou a volta mais rápida, mostrando disposição em vencer a corrida. Enquanto Vettel brigava com o Button, Alonso conseguiu abrir vantagem para ambos, escapou da ameaça do DRS, e até chegou até a marcar a volta mais rápida.

Na volta 52, Vettel enfezou e forçou pra cima do Button, conseguindo a ultrapassagem e o 3º lugar. Enquanto isso, Alonso tirava tudo do carro para tentar alcançar o Raikkonen. Ele até conseguiu aproximar-se o bastante para usar o DRS, mas já era tarde, faltava somente uma volta, e Kimi Raikkonen vence pela primeira vez no ano, a primeira vitória da nova Lotus. Alonso em 2º e Vettel em 3º completaram o pódio. Massa foi o 7º, e Senna o 8º. Confira o resultado completo:

1 Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
2 Fernando Alonso (Ferrari)
3 Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
4 Jenson Button (McLaren-Mercedes)
5 Pastor Maldonado (Williams-Renault)
6 Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
7 Felipe Massa (Ferrari)
8 Bruno Senna (Williams-Renault)
9 Paul di Resta (Force India-Mercedes)
10 Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
11 Michael Schumacher (Mercedes)
12 Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)
13 Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
14 Timo Glock (Marussia-Cosworth)
15 Sergio Perez (Sauber-Ferrari)
16 Vitaly Petrov (Caterham-Renault)
17 Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)
Ret Charles Pic (Marussia-Cosworth)
Ret Romain Grosjean (Lotus-Renault)
Ret Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
Ret Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)
Ret Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)
Ret Nico Rosberg (Mercedes)
Ret Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)

\\//_

domingo, 28 de outubro de 2012

GP da Índia 2012

Sebastian Vettel foi perfeito ao conquistar sua 4ª vitória consecutiva na temporada. Não sendo ameaçado em momento algum, Vettel venceu de ponta a ponta. Uma recuperação fantástica para a equipe Red Bull, que passou por momentos ruins antes das férias de verão da F1, mas agora consolidou-se com o melhor carro do ano.

O segundo colocado foi outro piloto com uma corrida perfeita, Alonso. O espanhol chegou a ultrapassar as duas McLarens na largada, mas em seguida foi superado por Button. Poucas voltas depois ele deu o troco, assumindo o 3º lugar. Nas últimas 20 voltas, Webber teve problemas com o KERS do seu carro, perdendo desempenho e permitindo a aproximação e ultrapassagem do Alonso. Um excelente resultado do ferrarista para manter-se vivo no campeonato.

Massa e Raikkonen fizeram uma corrida muito interessante, com o finlandês colado o tempo inteiro atrás da Ferrari do brasileiro, mas sem conseguir ultrapassar. Da mesma forma, o Massa também não conseguiu distanciar-se. Eles chegaram a trocar de posição após a parada nos boxes do Massa, mas só até a curva seguinte, quando o piloto da Ferrari recuperou sua posição.

Bruno Senna fez uma boa corrida, com ultrapassagens e demonstrando um bom desempenho. Nas últimas voltas, ele conseguiu tomar o 10º lugar do Rosberg.

Confira o resultado final:

1 Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
2 Fernando Alonso (Ferrari)
3 Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
4 Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)
5 Jenson Button (McLaren-Mercedes)
6 Felipe Massa (Ferrari)
7 Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
8 Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)
9 Romain Grosjean (Lotus-Renault)
10 Bruno Senna (Williams-Renault)
11 Nico Rosberg (Mercedes)
12 Paul di Resta (Force India-Mercedes)
13 Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
14 Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
15 Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)
16 Pastor Maldonado (Williams-Renault)
17 Vitaly Petrov (Caterham-Renault)
18 Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
19 Charles Pic (Marussia-Cosworth)
20 Timo Glock (Marussia-Cosworth)
21 Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)
22 Michael Schumacher (Mercedes)
Ret Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)
Ret Sergio Perez (Sauber-Ferrari)

\\//_

sábado, 27 de outubro de 2012

GP da Índia 2012 - treino classificatório

Após um Q1 e um Q2 bem disputados, com boas surpresas (como a Williams rendendo muito bem, e até colocando o Maldonado na disputa da pole), prevaleceu a lógica no Q3: a Red Bull ficou com a primeira fila, com Vettel em 1º e Webber em 2º. A McLaren veio logo a seguir, com Hamilton, que esteve desconcentrado o treino inteiro e teve como única volta limpa exatamente a última, em 3º, e Button em 4º. Na terceira fila, Alonso fez o 5º tempo, e Massa, depois de até ameaçar tomar o 1º tempo do Vettel, ficou apenas com o 6º. Bruno Senna fez um ótimo Q1, mas acabou não conseguindo avançar ao Q3, ficando em 13º.

Para amanhã, na corrida, a Ferrari deve ter um carro melhor do que o da McLaren. Acredito que Alonso e Massa serão capazes de alcançar as Red Bulls, mas Alonso precisa contar com a sorte para conseguir terminar a prova à frente do Vettel, sua única chance de continuar na disputa do campeonato. Se o alemão vencer novamente, não só marcará sua 4ª vitória seguida, como também abrirá uma vantagem tão confortável para o Alonso que só perderá o campeonato se não marcar pontos nas últimas corridas.

O grid completo ficou assim:

1 Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
2 Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
3 Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)
4 Jenson Button (McLaren-Mercedes)
5 Fernando Alonso (Ferrari)
6 Felipe Massa (Ferrari)
7 Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
8 Sergio Perez (Sauber-Ferrari)
9 Pastor Maldonado (Williams-Renault)
10 Nico Rosberg (Mercedes)
11 Romain Grosjean (Lotus-Renault)
12 Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)
13 Bruno Senna (Williams-Renault)
14 Michael Schumacher (Mercedes)
15 Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
16 Paul di Resta (Force India-Mercedes)
17 Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
18 Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)
19 Vitaly Petrov (Caterham-Renault)
20 Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
21 Timo Glock (Marussia-Cosworth)
22 Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)
23 Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)
24 Charles Pic (Marussia-Cosworth)

A corrida é amanhã às 7h30.

\\//_

domingo, 14 de outubro de 2012

GP da Coreia do Sul 2012

Desta vez, o “maníaco da primeira volta”, também conhecido como Romain Grosjean, não provocou nenhum acidente na largada do GP sulcoreano. Vettel saiu melhor e assumiu o 1º lugar. Webber ficou com o 2º posto, enquanto Hamilton perdeu o 3º para o Alonso. Massa fez uma bela ultrapassagem no Raikkonen, muito brigada, e ficou com o 5º lugar. Lá no meio do grid, Button foi acertado por Kobayashi e já ficou fora da corrida.

Os primeiros pit stops não provocaram mudanças nas primeiras posições. Algumas voltas depois, Hamilton reclamou para a equipe de perda de desempenho. Massa aproveitou e utilizou o DRS para ultrapassar e assumir a 4ª posição. Um pouco depois, e com mais luta, foi a vez do Raikkonen passar o Hamilton, mas o inglês devolveu a manobra em seguida, mantendo a posição.

Enquanto isso, Massa era um dos mais rápidos na pista, e ia alcançando o Alonso. Na volta 33, Webber abriu a segunda rodada de paradas dos líderes. Duas voltas depois foi a vez do Alonso. Vettel parou a seguir, muito por conta de uma forte travada de pneus. Massa parou na mesmo volta do Vettel, assim como o Raikkonen. E mais uma vez, não houve alteração nas posições dos líderes.

Depois dessa segunda rodada de paradas, Massa voltou ainda mais rápido do que o Alonso. Quando o alcançou, ele naturalmente diminuiu o ritmo. Um pouco mais atrás na fila, Grosjean atacou o Hamilton. Enquanto eles brigavam, Hulkenberg veio por fora e, numa grande manobra, ultrapassou a ambos!

Sem disputas durante toda a corrida entre os seis primeiros lugares, Vettel venceu novamente e assumiu a liderança do campeonato. Webber foi o 2º, Alonso o 3º, e Massa o 4º. O resultado completo:

1 Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
2 Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
3 Fernando Alonso (Ferrari)
4 Felipe Massa (Ferrari)
5 Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
6 Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)
7 Romain Grosjean (Lotus-Renault)
8 Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)
9 Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
10 Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)
11 Sergio Perez (Sauber-Ferrari)
12 Paul di Resta (Force India-Mercedes)
13 Michael Schumacher (Mercedes)
14 Pastor Maldonado (Williams-Renault)
15 Bruno Senna (Williams-Renault)
16 Vitaly Petrov (Caterham-Renault)
17 Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
18 Timo Glock (Marussia-Cosworth)
19 Charles Pic (Marussia-Cosworth)
20 Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)
Ret Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)
Ret Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
Ret Nico Rosberg (Mercedes)
Ret Jenson Button (McLaren-Mercedes)

\\//_

domingo, 7 de outubro de 2012

GP do Japão 2012

Suzuka abriga a segunda pista mais fantástica da F1, atrás (mas bem de perto) apenas de Spa, na Bélgica. Único traçado em formato de “8” da temporada, sinuoso, rápido, com curvas de alta, média e baixa velocidades. Estreito, porém com ótimos pontos de ultrapassagem. E ainda tem a curva mais rápida da F1, a espetacular 130R, que os pilotos contornam em acelaração total a mais de 300 km/h.

Na largada, enquanto Massa fez a largada mais espetacular dos últimos anos, pulando de 10º para 4º, Alonso, Rosberg, Grosjean e Webber envolveram-se numa confusão que tirou os dois primeiros da corrida. O safety car foi à pista por algumas voltas, para retirada dos carros. Na relargada, as posições foram mantidas.

Após a primeira rodada de pit stops, Button e Kobayashi foram atrapalhados por retardatários, enquanto que Massa atrasou o máximo sua parada, e conseguiu assumir a 2ª posição. Na voltas seguintes, Massa conseguiu ser o mais rápido da pista, diminuindo um pouco a vantagem do Vettel. Um pouco depois, Vettel respondeu e conseguiu manter a diferença em torno dos 10 segundos.

Raikkonen abriu a nova rodada de pit stops. Na ponta, Kobayashi até ameaçou, mas não conseguiu alcançar o Massa, e as posições se mantiveram. Nas últimas voltas, Button ainda pressionou e tentou tomar o 3º lugar do piloto japonês, mas sem sucesso. Vitória do Vettel, com Massa em 2º, não só um ótimo resultado do brasileiro, mas também uma compensação para a Ferrari. Confira o resultado completo:

1 Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
2 Felipe Massa (Ferrari)
3 Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
4 Jenson Button (McLaren-Mercedes)
5 Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)
6 Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
7 Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)
8 Pastor Maldonado (Williams-Renault)
9 Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
10 Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
11 Michael Schumacher (Mercedes)
12 Paul di Resta (Force India-Mercedes)
13 Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)
14 Bruno Senna (Williams-Renault)
15 Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
16 Timo Glock (Marussia-Cosworth)
17 Vitaly Petrov (Caterham-Renault)
18 Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)
19 Romain Grosjean (Lotus-Renault)
Ret Charles Pic (Marussia-Cosworth)
Ret Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)
Ret Sergio Perez (Sauber-Ferrari)
Ret Fernando Alonso (Ferrari)
Ret Nico Rosberg (Mercedes)

\\//_

domingo, 23 de setembro de 2012

GP de Cingapura 2012

A despeito das previsões realistas, Maldonado não provocou nenhum acidente na largada. Pelo contrário, o venezuelano estabanado foi tão cuidadoso que perdeu duas posições, para o Vettel e para o Button. Hamilton foi beneficiado pelo cuidado do Maldonado, e não teve qualquer dificuldade para manter-se na ponta e começar a abrir distância. Petrov, da nanica Caterham, resolveu aparecer e bateu em dois carros, perdendo pedaços do bico e furando um pneu do Massa. Após ir aos boxes, o brasileiro da Ferrari voltou em último lugar.

Na volta 9, os pneus supermacios começaram a se desgastar, e Webber abriu os pit stops. Com algumas voltas, todos os que usavam os pneus de faixa vermelha foram aos boxes trocar pelos amarelos. Um dos últimos a fazê-lo foi Button, que notoriamente gasta menos pneus. O inglês voltou à pista atrás do companheiro, Hamilton, e do Vettel, restabelecendo assim a ordem anterior às paradas.

Em excelente corrida, após largar no final do grid, na volta 21 Senna já estava em 12º, e começou a pressionar ninguém menos que Raikkonen pelo 11º lugar. O problema é que o Raikkonen também pressionava o Shumacher, inclusive até usando a asa móvel.

Na volta 23, o “azar do Hamilton” apareceu: algum problema mecânico obrigou o piloto inglês a encostar sua McLaren na beira da pista. Aliás, não sei se o Hamilton é o azarado, ou se o Alonso é o sortudo, pois novamente ele é o maior beneficiado. O replay da TV mostrou que o carro perdeu as marchas, e o Hamilton esperneou feito criança de quem alguém tomou um pirulito…

Senna inaugurou nova rodada de paradas, colocando dessa vez pneus vermelhos, supermacios. Na volta 30, Maldonado, o 3º, entrou nos boxes juntamente com o Alonso, o 4º. Com um trabalho fantástico, a Ferrari por pouco não conseguiu tirar toda a vantagem que o venezuelano possuía, mas ainda conseguiu colocar o ferrarista na cola do adversário. Contudo, a Williams colocou pneus supermacios, e a Ferrari apenas os macios, e portanto Maldonado teria um desempenho bem melhor, embora os pneus durassem bem menos.

Na volta 33, o Galvão tanto agorou que o safety car apareceu. Karthikeyan arrebentou a lateral da sua HRT e parou atravessado na pista. Quase em desespero, todos os que puderam correram aos boxes para troca de pneus. Bom para o Massa, que ainda estava muito atrás por conta do acidente no início da prova. Estando mais próximo dos adversários, ele teve mais chances de chegar na zona de pontuação.

Ainda com o safety car na pista, a Williams comunicou ao Maldonado que ele deveria voltar aos boxes e abandonar a prova, devido a um problema hidráulico. Alonso, com isso, herdou a 3ª posição. Após a surpreendente vitória no GP da Espanha, o piloto preferido do Hugo Chávez nunca mais marcou pontos na F1.

Retirando-se o safety car na volta 38, a disputa recomeçou. Mas não por muito tempo, pois um estabanado Shumacher atropelou a Toro Rosso do Vergne, deixando ambos os carros e muitos detritos na pista. Safety car na pista novamente, bom para Senna e Massa, que em fila passaram a ocupar o 12º e o 13º lugares. A despeito das poucas voltas dadas, mais uma vez todos correram aos boxes para colocar pneus novos em folha. Com as paradas, Senna e Massa pularam para 9º e 10º.

Nova relargada, e novamente Alonso saiu mal, sendo ameaçado pelo Di Resta. Mas a briga foi mais atrás, onde Massa atacou e forçou uma ultrapassagem sobre o Senna, que chegou a tocar o carro do ferrarista. Não satisfeito, Massa já passou a perseguir e pressionar o Ricciardo. Com dificuldade, mas com uma bela manobra, Massa conseguiu tomar a 8ª posição. Nada mal para quem chegou a ficar 30s atrás do penúltimo lugar.

Faltando nove giros, a direção de prova trocou o contador de voltas por um cronômetro regressivo, indicando faltar 12 minutos, pois não haveria tempo de completar as 61 voltas previstas antes do limite de duas horas. Faltando 9 minutos, Webber pressionava Senna, cujos pneus já estavam muito desgastados. Assim como os do Massa, que não conseguiu manter a perseguição ao Grosjean. Somente uma volta depois, Webber já conseguiu a ultrapassagem, tomando o 10º lugar e o ponto do Senna.

Nos segundos finais, a Williams do Senna o deixou na mão, e ele encostou em uma área de escape. Cronômetro regressivo zerado, Vettel recebeu a bandeira quadriculada 2 voltas antes do previsto. Button passou em 2º, com Alonso em 3º. Massa conseguiu manter-se em 8º, deixando, aparentemente, a Ferrari satisfeita com o desempenho na corrida. Com este resultado, Alonso mantém-se na liderança do campeonato, agora com Vettel em segundo. O resultado final da corrida:

1 Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
2 Jenson Button (McLaren-Mercedes)
3 Fernando Alonso (Ferrari)
4 Paul di Resta (Force India-Mercedes)
5 Nico Rosberg (Mercedes)
6 Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
7 Romain Grosjean (Lotus-Renault)
8 Felipe Massa (Ferrari)
9 Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
10 Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
11 Sergio Perez (Sauber-Ferrari)
12 Timo Glock (Marussia-Cosworth)
13 Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
14 Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)
15 Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
16 Charles Pic (Marussia-Cosworth)
17 Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)
18 Bruno Senna (Williams-Renault)
19 Vitaly Petrov (Caterham-Renault)
Ret Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)
Ret Michael Schumacher (Mercedes)
Ret Pastor Maldonado (Williams-Renault)
Ret Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)
Ret Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)

\\//_

domingo, 9 de setembro de 2012

GP da Itália 2012

Diferentemente da última corrida, em Monza a largada foi totalmente limpa, sem toques mais graves. Massa largou muito bem, tomando a posição do Button e até ameaçando o Hamilton. Alonso também fez ótima largada, alcançando o 6º lugar antes de fechar a primeira curva. Apesar da Ferrari perder velocidade em reta, Massa conseguiu manter sua posição, enquanto que Alonso pressionava Shumacher, o 5º colocado. A telemetria mostrava que o tempo de volta do Massa era igual ao do Hamilton. E com algumas voltas, Alonso conseguiu passar o Shumacher, embora não tenha conseguido abrir distância.

Maldonado, lá no final do grid, abriu a primeira rodada dos pit stops. Rosberg entrou na volta seguinte, Shumacher na posterior, mas nenhum dos líderes parou, indicando que preferiram arriscar a estratégia de apenas uma parada. Na volta 17, a Ferrari do Massa começou a perder desempenho, e o Button aproximou-se. Duas voltas depois, o inglês já conseguiu a ultrapassagem. Para evitar um prejuízo ainda maior, na volta seguinte o Massa já fez o seu pit stop.

Na volta 21, Alonso e Vettel foram aos boxes ao mesmo tempo, e por pouco o piloto da Ferrari não conseguiu a ultrapassagem na saída. Ambos retornaram logo atrás do Massa, e seguiram colados. Button parou algumas voltas depois, conseguindo voltar ainda à frente do Massa. Hamilton parou algumas voltas depois, retornando à frente do Button. Após várias ultrapassagens sobre carros mais lentos, liderados por Massa, Vettel e Alonso começaram uma disputa acirrada, o que foi bom para o brasileiro, que pôde abrir alguma vantagem.

Algumas voltas depois, Alonso conseguiu a ultrapassagem sobre o Vettel, mas sem abrir vantagem, Para o Massa, seria melhor que o Vettel continuasse colado no Alonso, e ao mesmo tentasse a ultrapassagem, para não permitir que o espanhol se aproximasse do Massa. Devido à vantagem no campeonato, desta vez seria justo que o Massa deixasse o Alonso passar, caso ele estivesse próximo. Mas o Vettel acabou punido, por forçar o Alonso para fora da pista em uma das tentativas de ultrapassagem, recebendo um drive through.

Então, surpreendentemente, Button encostou seu carro na grama, entregando o 2º lugar de bandeja para o Massa, e levando o Alonso ao 3º. Nesse momento, Massa ainda era mais rápido do que o espanhol, mas a Ferrari já avisava que o Alonso estava atrás dele. Algumas voltas depois, Massa diminuiu o ritmo, e Alonso usou o DRS para ultrapassar. As Ferraris seguiram em fila, mas passaram a ser ameaçadas pela Sauber de Perez, que com pneus macios vinha muito mais rápido. A diferença de desempenho era muito grande, e Perez passou com facilidade o Massa, encostando no Alonso imediatamente a seguir.

Marcando seguidas vezes a volta mais rápida, Perez só precisou de mais algumas voltas para ultrapassar também o Alonso, com a mesma facilidade com que passou o Massa. Faltando 7 voltas para o final, Hamilton era bem mais lento do que o piloto da Sauber, mas tinha uma boa vantagem. No final, vitória tranquila do Hamilton, com um brilhante Perez em 2º, e Alonso em 3º. Embora tenha perdido o pódio, mais uma ótima corrida do Massa rendeu-lhe o 4º lugar. Confira o resultado final:

1 Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)
2 Sergio Perez (Sauber-Ferrari)
3 Fernando Alonso (Ferrari)
4 Felipe Massa (Ferrari)
5 Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
6 Michael Schumacher (Mercedes)
7 Nico Rosberg (Mercedes)
8 Paul di Resta (Force India-Mercedes)
9 Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
10 Bruno Senna (Williams-Renault)
11 Pastor Maldonado (Williams-Renault)
12 Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
13 Jerome D'Ambrosio (Lotus-Renault)
14 Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
15 Vitaly Petrov (Caterham-Renault)
16 Charles Pic (Marussia-Cosworth)
17 Timo Glock (Marussia-Cosworth)
18 Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)
19 Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)
20 Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
21 Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)
22 Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
Ret Jenson Button (McLaren-Mercedes)
Ret Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)

\\//_

sábado, 8 de setembro de 2012

GP da Itália 2012 - Treino Classificatório

No circuito mais veloz da F1, os carros com motores Mercedes dominaram os treinos livres. McLaren, Force India e a própria equipe Mercedes aproveitaram o motor mais potente do ano para marcar os primeiros tempos. Mas a Ferrari esteve sempre próxima, chegando a vencer alguns deles, até com o Massa. Aparentemente, a equipe italiana tomou uma decisão que, embora pareça ilógica, como diria o nosso vulcano favorito, deu muito certo: aumentou a carga aerodinâmica traseira, perdendo velocidade de reta, mas ganhando desempenho nas curvas rápidas.

Três punições afetam o grid deste final de semana. Di Resta, da Force India, perderá 5 posições no grid, por trocar o câmbio. Maldonado, da Williams, perderá 10 posições no grid por conta de 3 (isso mesmo, 3!) punições recebidas na última corrida. Já Grosjean, da Lotus, foi suspenso por uma corrida, e foi substituído pelo reserva da equipe, D'Ambrosio, como merecida punição pelo grave acidente que ele causou na Bélgica.

No Q1, os melhores foram Alonso, Hamilton e Button. Massa e Senna não tiveram dificuldades, marcando o 6º e o 9º tempo, respectivamente. Os eliminados foram Kovalainen, Petrov, Glock, Pic, Karthikeyan, De La Rosa e Hulkenberg. Este último nem chegou a treinar, com problemas no carro.

Com o bom desempenho das equipes que usam motores Mercedes e da Ferrari, a briga no Q2 ficou acirrada. Duas McLarens, duas Mercedes, duas Ferraris e mais uma Force India deixaram apenas três vagas para Red Bull, Lotus, Sauber e Williams encaixarem seus carros. Apenas Kobayashi, Vettel e Raikkonen conseguiram. Os três melhores foram Alonso de novo, Button e Di Resta. Os eliminados foram Webber, Maldonando (que vai largar em 22º), Perez, Senna, Ricciardo, D'Ambrosio e Vergne.

No Q3, decepção total na Ferrari. E, surpresa, não por causa do Massa, que conseguiu um ótimo 3º lugar, atrás apenas do Hamilton e do Button. Desta vez o culpado foi o Alonso, que conseguiu a façanha de ser o pior do Q3, com o 10º tempo. Nem precisava ter treinado, poderia ter economizado os pneus! A estratégia da Ferrari exigia uma boa posição de largada para conseguir um bom resultado na corrida, e agora só o Massa terá essa chance. Confira o grid completo:

1 Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)
2 Jenson Button (McLaren-Mercedes)
3 Felipe Massa (Ferrari)
4 Paul di Resta (Force India-Mercedes)
5 Michael Schumacher (Mercedes)
6 Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
7 Nico Rosberg (Mercedes)
8 Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
9 Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
10 Fernando Alonso (Ferrari)
11 Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
12 Pastor Maldonado (Williams-Renault)
13 Sergio Perez (Sauber-Ferrari)
14 Bruno Senna (Williams-Renault)
15 Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
16 Jerome D'Ambrosio (Lotus-Renault)
17 Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)
18 Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
19 Vitaly Petrov (Caterham-Renault)
20 Timo Glock (Marussia-Cosworth)
21 Charles Pic (Marussia-Cosworth)
22 Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)
23 Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)
24 Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)

A corrida é amanhã, às 9h.

\\//_

domingo, 2 de setembro de 2012

GP da Bélgica 2012

A primeira curva do circuito de Spa é fechadíssima, e é comum ocorrerem acidentes na largada por conta disto. Já houve ocasião em que 13 carros bateram, provocando uma rara relargada. Hoje, Romain Grosjean conseguiu algo inédito: após uma largada limpa, quando todos os carros passaram sem dificuldades pela primeira curva, ele provocou um acidente gravíssimo - na reta! Antes de alcançarem a Eau Rouge, Hamilton corria tranquiliamente no canto da pista, quando foi espremido pelo Grosjean. O inglês perdeu o controle da sua McLaren e bateu no próprio Grosjean, que foi jogado em cima do Alonso e ainda envolveu a Sauber do Perez, encerrando a corrida do quarteto.

Após 5 voltas atrás do safety car, a corrida foi retomada. Button sumiu na ponta e não deu mais notícias. Atrás dele, a briga intensificou-se. Uma sucessão de ultrapassagens tornou até difícil acompanhar a corrida. Após as paradas nos boxes, Raikkonen recuperou a 2ª posição perdida logo na relargada. Hulkenberg, mostrando que a Force India sempre se sai bem em Spa, era o 3º, seguido por Webber, Masssa e Vettel.

Uma nova rodada de pit stops colocou o Raikkonen para brigar com o Shumacher pelo 3º lugar no pódio. Atrás deles, a 5ª e a 7ª posições também eram bem disputadas. Uma volta depois, o finlandês fez uma ultrapassagem incrível, por fora. Poucas curvas após, Shumacher abriu a asa móvel e recuperou a posição. Com isso, Hulkenberg e Webber aproximaram-se, formando uma briga quádrupla pelo 3º lugar. Raikkonen surpreendeu e passou novamente, na entrada da Eau Rouge. O susto do alemão com a ousadia do piloto da Lotus foi tão grande que ele quase perdeu a posição também para o Hulkenberg.

Enquanto Raikkonen finalmente livrou-se desta turma, Massa aproximou-se e entrou na briga, desta vez pela 4ª posição. Mas não houve disputa: Shumacher entrou nos boxes, e foi imediatamente ultrapassado. Logo a seguir, Massa forçou e passou o Webber, assumindo o 5º lugar. Contudo, Massa não conseguiu distanciar-se, e continuou pressionado pelo australiano. Hulkenberg aproveitou a briga dos dois para perseguir o Raikkonen.

Somente nas últimas três voltas a TV lembrou de mostrar novamente o Button, que liderou de ponta a ponta com extrema facilidade. O piloto da McLaren deve ter aparecido menos que as equipes pequenas, de tão tranquila que foi sua corrida. Ele venceu, seguido por Vettel e Raikkonen. Hulkenberg foi o 4º, com Massa num bom 5º lugar, seguido de perto por Webber. O resultado completo:

1 Jenson Button (McLaren-Mercedes)
2 Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
3 Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
4 Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)
5 Felipe Massa (Ferrari)
6 Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
7 Michael Schumacher (Mercedes)
8 Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)
9 Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
10 Paul di Resta (Force India-Mercedes)
11 Nico Rosberg (Mercedes)
12 Bruno Senna (Williams-Renault)
13 Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
14 Vitaly Petrov (Caterham-Renault)
15 Timo Glock (Marussia-Cosworth)
16 Charles Pic (Marussia-Cosworth)
17 Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
18 Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)
Ret Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)
Ret Pastor Maldonado (Williams-Renault)
Ret Sergio Perez (Sauber-Ferrari)
Ret Fernando Alonso (Ferrari)
Ret Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)
Ret Romain Grosjean (Lotus-Renault)

\\//_

sábado, 1 de setembro de 2012

GP da Bélgica 2012 - Treino Classificatório

Depois de pouco mais de um mês de abstinência de F1, a competição retorna logo em seu melhor cenário, o circuito belga de Spa-Francorchamps. São mais de 7 quilômetros de uma combinação única e perfeita de longas retas e curvas de alta, média e baixa velocidades, que formam a pista predileta de qualquer piloto que já tenha corrido por lá.

E além de ter um traçado fantástico, a região aonde o circuito localiza-se oferece mais um ingrediente para aumentar a disputa: a imprevisibilidade climática. Foi o que aconteceu nos treinos livres de sexta-feira. A previsão do tempo indicava chuva, mas ela veio forte como nunca, tornando inúteis todas as tentativas de levar os carros à pista. Com a sexta-feira perdida em termos de acerto, todos os pilotos chegaram ao treino classificatório ainda sem bons parâmetros para a configuração ideal dos bólidos.

Esperava-se com ansiedade verificar o desempenho das equipes que possuem pilotos na briga pelas primeiras posições. Destas, destacaram-se McLaren e Lotus, notadamente com Button, o pole position, e Raikkonen, o 4º. Red Bull e Mercedes decepcionaram, com resultados muito aquém do esperado. Vettel e as duas Mercedes, inclusive, sequer chegaram ao Q3, assim como Massa, que ficou com o 14º tempo. A Ferrari, como de hábito, saiu-se melhor com o líder do campeonato, Alonso, que conseguiu um mediano 6º lugar. Confira o grid completo:

1 Jenson Button (McLaren-Mercedes)
2 Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
3 Pastor Maldonado (Williams-Renault)
4 Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
5 Sergio Perez (Sauber-Ferrari)
6 Fernando Alonso (Ferrari)
7 Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
8 Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)
9 Romain Grosjean (Lotus-Renault)
10 Paul di Resta (Force India-Mercedes)
11 Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
12 Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)
13 Michael Schumacher (Mercedes)
14 Felipe Massa (Ferrari)
15 Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)
16 Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
17 Bruno Senna (Williams-Renault)
18 Nico Rosberg (Mercedes)
19 Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
20 Vitaly Petrov (Caterham-Renault)
21 Timo Glock (Marussia-Cosworth)
22 Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)
23 Charles Pic (Marussia-Cosworth)
24 Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)

A corrida é amanhã às 9h, sem previsão de chuva.

\\//_

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Entrega #Fail dos Correios - parte 2

Lembra daquele post de julho, em que eu reclamei da entrega da revista Mundo dos Super Heróis, da editora Europa, feita de maneira completamente desleixada por um carteiro dos Correios? Resumindo, das oito revistas que recebo na minha casa mensalmente, sete são entregues de maneira cuidadosa na minha caixa de correio, enquanto que apenas uma, a Mundo dos Super Heróis, é simplesmente jogada de qualquer jeito na garagem, o que normalmente provoca estragos na revista. E esta era a única revista entregue pelos Correios, as outras todas eram entregues pela distribuidora.

Isso mesmo, era, porque a última +macmais (assim mesmo, em minúsculas), da editora Digerati, também foi entregue pelo mesmo funcionário público. No mês passado, juntamente com o post, eu registrei reclamações na editora e nos Correios. Ambos prometeram tomar providências para resolver o problema, e pediram-me que tornasse a entrar em contato caso se repetisse.

É o que pretendo fazer, novamente, reiterando que essa briga já dura meses. Embora eu duvide que o carteiro, do alto do seu posto de funcionário público, vá se preocupar em um dia atender minha solicitação. A verdade é que os Correios são uma empresa enorme, com uma carteira repleta de clientes em serviços de entregas de encomendas e documentos. Se não bastasse isto, ainda tem o monopólio nos serviços postais, que, mesmo não tendo o volume de entregas que já teve no passado, ainda é capaz de sustentar toda a estrutura da empresa. Por que se preocupar com um mísero nerd enjoado, não é?

E o carteiro responsável pela entrega, cheio de orgulho por ter sido aprovado em um concorrido concurso público, com certeza não dá a mínima para as minhas reclamações. Foi antológica a vez em que ele entregou minha Mundo dos Super Heróis dobrada em quatro! Mesmo sabendo que o regime de contratação dos Correios é a CLT, ele não tem receio de continuar atendendo mal a um cliente, já que não corre riscos de sofrer uma punição mais grave, como a demissão.

Minha esperança é que as editoras dêem atenção à minha solicitação e encontrem uma solução, mesmo que seja delegando a entrega da minha revista para outra empresa. Ou ainda, quem sabe, chegando ao extremo de encerrar o contrato com os Correios. Afinal, suponho, eu não devo ser o único cliente insatisfeito com a entrega.

Aguarde mais novidades nos próximos episódios!

\\//_

segunda-feira, 30 de julho de 2012

GP da Hungria 2012

A corrida foi ontem, mas só hoje arranjei um tempo pra escrever sobre ela. Hamilton dominou todo o final de semana: foi o melhor nos treinos livres, conquistou a pole com facilidade, e venceu a corrida sem dar chances à concorrência. Durante a corrida, ele parece finalmente ter aprendido a administrar o desgaste dos pneus. Embora tenha sido perseguido pelas duas Lotus, com Grosejan no início e Raikkonen no final da prova, conseguiu manter sempre uma distância segura, e não foi ameaçado em nenhum momento.

Aliás, destaque total à Lotus nesse final de semana. Grosjean foi muito bem no classificatório, e fez uma corrida bastante consistente. Como de hábito, Raikkonen não foi tão bem quanto seu companheiro nos treinos, mas o superou na corrida, com uma ultrapassagem na saída dos boxes. No final, o finlandês terminou apenas 1s atrás do Hamilton, e poderia ter vencido a corrida se tivesse largado mais a frente no grid.

O líder do campeonato, Alonso, teve uma corrida discreta, terminando apenas em 5º. Mas manteve a liderança, pois o vice, Webber, foi só o 8º. Isso porque Bruno Senna fez uma corrida notável, e conseguiu segurá-lo por várias voltas no final da corrida, chegando em 7º. Massa teve uma corrida horrível: caiu para 9º na largada e por lá ficou, mal aparecendo na TV durante toda a prova.

No mais, uma corrida húngara típica, com muito calor e poucas disputas. Agora a F1 entra de férias, retornando somente em 2 de setembro, com o mítico GP da Bélgica. Confira aqui a classificação do campeonato, e abaixo o resultado final da Hungria:

1. Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)
2. Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
3. Romain Grosjean (Lotus-Renault)
4. Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
5. Fernando Alonso (Ferrari)
6. Jenson Button (McLaren-Mercedes)
7. Bruno Senna (Williams-Renault)
8. Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
9. Felipe Massa (Ferrari)
10. Nico Rosberg (Mercedes)
11. Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)
12. Paul di Resta (Force India-Mercedes)
13. Pastor Maldonado (Williams-Renault)
14. Sergio Perez (Sauber-Ferrari)
15. Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
16. Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)
17. Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
18. Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
19. Vitaly Petrov (Caterham-Renault)
20. Charles Pic (Marussia-Cosworth)
21. Timo Glock (Marussia-Cosworth)
22. Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)
Ret. Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)
Ret. Michael Schumacher (Mercedes)

\\//_

sábado, 28 de julho de 2012

GP da Hungria 2012 - Treino Classificatório

Apesar da chuva no treino livre de ontem, hoje não teremos um treino com pista molhada, como na Alemanha. O dia parece típico do verão húngaro: céu azul e muito, muito calor. No Q1, Senna e Massa conseguiram ficar, na maior parte do tempo, entre os primeiros. Já o Alonso surpreendeu negativamente, mostrando dificuldade para posicionar-se entre os 17 melhores, tendo que antecipar o uso dos pneus macios. Os três melhores foram Hamilton, Di Resta e Button. Não só a McLaren estava muito bem, mas também os outros carros com motor Mercedes. Os eliminados foram Ricciardo, Kovalainen, Petrov, Pic, Glock, De La Rosa e Karthikeyan.

No Q2, Alonso repetiu o desempenho ruim. Massa saiu-se bem melhor, conseguindo ficar entre os primeiros sem dificuldade. Hamilton mais uma vez não deu chance para ninguém, ficando com o 1º lugar sem dificuldades. No finalzinho, Alonso ainda conseguiu melhorar, mas ficou ainda atrás do Massa. Foi também nos instantes finais que Senna conseguiu uma vaga para o Q3, marcando o 10º tempo já depois do cronômetro zerado. Os melhores foram Hamilton, Vettel e Maldonado, com Massa em 4º. Saíram mais cedo dos seus carros um decepcionado Webber, Di Resta, um revoltado Rosberg, Perez, Kobayashi, Vergne e um surpreso Shumacher. Pois é, o Q2 não foi feliz para a Red Bull e, principalmente, para a Mercedes.

Hamilton foi um dos primeiros a ir à pista no Q3, na certa querendo logo marcar um tempo fantástico para garantir a pole e ir descansar. Ele até errou na sua primeira volta, mas não desperdiçou a segunda. Mesmo sendo um dos primeiros a marcar tempo, ninguém mais conseguiu tomar-lhe o 1º lugar. Massa e Alonso marcaram tempo apenas já após o cronômetro zerado, com o espanhol uma posição à frente, em 6º. Ah sim, completam as primeiras posições Grosjean e Vettel. Confira o grid completo:

1. Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)
2. Romain Grosjean (Lotus-Renault)
3. Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
4. Jenson Button (McLaren-Mercedes)
5. Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
6. Fernando Alonso (Ferrari)
7. Felipe Massa (Ferrari)
8. Pastor Maldonado (Williams-Renault)
9. Bruno Senna (Williams-Renault)
10. Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)
11. Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
12. Paul di Resta (Force India-Mercedes)
13. Nico Rosberg (Mercedes)
14. Sergio Perez (Sauber-Ferrari)
15. Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
16. Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)
17. Michael Schumacher (Mercedes)
18. Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
19. Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
20. Vitaly Petrov (Caterham-Renault)
21. Charles Pic (Marussia-Cosworth)
22. Timo Glock (Marussia-Cosworth)
23. Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)
24. Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)

A corrida é amanhã às 9h.

\\//_

domingo, 22 de julho de 2012

GP da Alemanha 2012

Como previsto, o sol fez-se presente sobre o circuito alemão de Hockenhein. Na largada, Alonso saiu muito bem, mantendo com facilidade a ponta, enquanto que Vettel parece ter “dormido” um pouco, quase perdendo a posição para o Shumacher. Lá atrás, Massa, Senna e Grosjean envolveram-se em acidentes não mostrados pela TV, e os três foram aos boxes trocar o bico do carro. Com duas voltas, Hamilton teve um pneu furado e perdeu totalmente suas chances de lutar por um pódio. Estes quatro azarados então passaram a ocupar as últimas posições, com Massa sendo o “primeiro dos últimos”. Mostrando disposição para recuperar-se na corrida, logo a seguir Massa já marcou duas vezes em sequência a volta mais rápida.

Lá na ponta, Alonso guiava com tranquilidade, mantendo uma distância constante de aproximadamente 1s para o Vettel. Button, após algumas belas ultrapassagens, passou a presssionar o Shumacher, cobiçando o 3º lugar. A briga não durou muito, e o inglês logo conseguiu passar o alemão do queixo comprido. Raikkonen foi o primeiro a parar nos boxes, retornando em 9º. Logo em seguida a maioria dos 10 primeiros também fez sua parada, exceto os quatro líderes. A essa altura, Massa já tinha feito quatro ultrapassagens, subindo para 17º, no que não foi imitado pelos seus companheiros de azar, que não mudaram de posição.

Apenas da 18ª volta Alonso foi aos boxes, retornando com pneus médios em 3º. Button parou duas voltas depois, e Vettel na volta seguinte. Enquanto isso, após uma boa briga, Raikkonen tomou a 5ª posição do Shumacher. Algumas voltas depois, Massa foi aos boxes fazer sua segunda parada, colocando pneus médios. Lá na frente, Vettel e Button pressionavam Alonso, com voltas mais rápidas do que o ferrarista. Na volta 29 Vettel já estava colado no Alonso, preparando a ultrapassagem. A briga entre os dois favoreceu ao Button, que também conseguiu aproximar-se. Hamilton, retardatário, aproveitou a briga para descontar uma volta sobre o vice-líder, Vettel, e partiu para cima do Alonso com a mesma intenção.

Não conseguindo manter a perseguição aos líderes, Button fez sua segunda e última parada. Na volta seguinte, Alonso e Vettel pararam aos mesmo tempo, mas as equipes trabalharam igualmente bem, e ambos voltaram à pista sem troca de posição. Entretanto, na saída dos boxes, Button aproveitou para passar o Vettel. Durante várias voltas, Button manteve pouco menos de 1s para o Alonso, sem conseguir aproximar-se o bastante para ultrapassar. Atrás deles, Vettel fez o impossível para acompanha-los, até escapando da pista algumas vezes.

No fim do grid, discretamente, Hamilton estacionou em sua garagem e abandonou, o único a fazê-lo na prova. Faltando 6 voltas, Button não conseguia mais ameaçar o Alonso, e passou a ser pressionado pelo Vettel. Na penúltima volta, Alonso já conseguiu abrir uma confortável vantagem de 3,3s, enquanto que Button tentava defender-se do ataque do Vettel. O inglês resistiu como pôde, mas não conseguiu evitar a ultrapassagem. A manobra do Vettel pode ser questionada, pois ele passou usando a área de escape. No final, segunda vitória consecutiva do Alonso, que dispara na liderança do campeonato. Vettel e Button completam o pódio, com as duas Saubers, que fizeram excelente corrida, em 4º e 5º. Massa fez uma corrida de recuperação razoável, mas terminou apenas em 12º, e Senna em 17º. Confira o resultado completo:

1. Fernando Alonso (Ferrari)
2. Jenson Button (McLaren-Mercedes)
3. Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
4. Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
5. Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
6. Sergio Perez (Sauber-Ferrari)
7. Michael Schumacher (Mercedes)
8. Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
9. Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)
10. Nico Rosberg (Mercedes)
11. Paul di Resta (Force India-Mercedes)
12. Felipe Massa (Ferrari)
13. Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
14. Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)
15. Pastor Maldonado (Williams-Renault)
16. Vitaly Petrov (Caterham-Renault)
17. Bruno Senna (Williams-Renault)
18. Romain Grosjean (Lotus-Renault)
19. Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
20. Charles Pic (Marussia-Cosworth)
21. Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)
22. Timo Glock (Marussia-Cosworth)
23. Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)
Ret. Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)

A próxima corrida já é domingo que vem, o GP da Hungria.

Update [21h06]: Os comissários da corrida entenderam que houve conduta antidesportiva por parte do Vettel, ao ultrapassar o Button nas últimas voltas por fora da pista. O piloto foi punido com acréscimo de 20s ao seu tempo de corrida, e com isso passou a ser o 5º colocado. Button subiu para 2º, e Raikkonen herdou o lugar no pódio e o troféu do 3º colocado.

Embora eu concorde que, aparentemente, não houve vantagem do Vettel na ultrapassagem por fora da pista, entendo que a punição deve sim ser aplicada, para não criar a sensação de impunidade. Afinal, o que inibe a infração não é o medo do grau da punição, mas a certeza de recebê-la.

\\//_

sábado, 21 de julho de 2012

GP da Alemanha 2012 - Treino Classificatório

Três pilotos receberão punições de perda de 5 posições no grid, todos por troca de caixa de câmbio: Rosberg, Webber e Grosjean. A chuva que castigou Hockenheim nos treinos livres de ontem ainda apresentou-se hoje pela manhã (no horário alemão), porém o Q1 começou com pista seca. A previsão do tempo já indicava possibilidade de chuva para o horário do Q2, então, ninguém quis perder tempo, e todos os carros foram logo à pista. Na metade do Q1, a chuva ameaçou começar a gotejar, fazendo com que as McLarens e Ferraris, que lideravam, guardassem seus carros. Mas o asfalto permaneceu seco, os tempos começaram a baixar, e todos retornaram à pista, receosos de perder um lugar no Q2. Raikkonen, Perez e Rosberg foram os mais rápidos, e os eliminados foram Vergne, Kovalainen, Petrov, Pic, Glock, De La Rosa e Karthikeyan. Shumacher tirou o 17º do Vergne nos instantes finais.

Como previsto, o Q2 já iniciou com chuva, e generosa. Os carros foram à pista com pneus intermediários, e todos os pilotos saíram dos boxes, pois a previsão era de que a chuva cairia forte. Com alguns minutos, os carros já começaram a derrapar, indicando que os pneus intermediários já não eram suficientes. Restando 7 minutos, a chuva caiu de vez, tornando praticamente impossível melhorar os tempos das primeiras voltas. Apesar desta dificuldade, Massa e Senna, que estavam acima do 10º lugar, voltaram aos boxes, para colocar os pneus de chuva extrema. Infelizmente foi em vão, e ambos foram eliminados em 14º e 16º, respectivamente, juntamente com Ricciardo, Perez, Kobayashi, Grosjean e Rosberg. Os primeiros foram Hamilton, Shumacher e Vettel.


O Q3 começou com chuva fraca, porém com a pista bastante molhada ainda. Mais uma vez, é claro, ninguém quis perder tempo, indo logo à pista. As condições da pista eram tão ruins que a volta mais rápida era 24 segundos mais lenta que o pior tempo do Q1. Como a chuva arrefeceu, a pista melhorou um pouco nos instantes finais, mas apenas o suficiente para garantir a eficiência dos pneus de chuva extrema. Alonso conseguiu uma volta fantástica, conquistando de maneira inconteste a pole. Vettel sai em 2º, e Webber marcou o 3º tempo, mas não levou, por conta da punição. Assim, Shumacher herdou o 3º posto. Confira o grid completo:


1. Fernando Alonso
2. Sebastian Vettel
3. Michael Schumacher
4. Nico Hulkenberg
5. Pastor Maldonado
6. Jenson Button
7. Lewis Hamilton
8. Mark Webber
9. Paul di Resta
10. Kimi Räikkönen
11. Daniel Ricciardo
12. Sergio Perez
13. Kamui Kobayashi
14. Felipe Massa
15. Bruno Senna
16. Jean-Eric Vergne
17. Heikki Kovalainen
18. Vitaly Petrov
19. Romain Grosjean
20. Charles Pic
21. Nico Rosberg
22. Timo Glock
23. Pedro de la Rosa
24. Narain Karthikeyan

A corrida é amanhã às 9h, e a previsão do tempo indica que não deve chover novamente.


\\//_

terça-feira, 17 de julho de 2012

Reviews Novos 52: Flash #1

A satisfação de abrir a primeira revista mensal brasileira do velocista escarlate foi maior ainda ao perceber que esta edição foi impressa em papel couchê, e sem aumento no preço de capa. Ponto para a Panini, pelo cuidado com uma edição que vai rapidamente virar um item raro de colecionador.

Não esqueça, se você perdeu os outros reviews, encontre todos aqui. Vamos às histórias:

Flash: Francis Manapul é um artista incrível, dono de um traço leve, algo caricato e belíssimo. O Flash dele é uma obra de arte, como se cada página pudesse ser emoldurada e exposta numa galeria. A página com o Barry andando pelo apartamento ficou especialmente interessante. E, surpresa, ele também é um escritor competente. A história envolve e diverte, com ótimos diálogos. Vale a pena companhar? Sem dúvida!

Arqueiro Verde - Uma Vida de Privilégios: daí você termina de ler a história do Flash, e ainda empolgado começa a ler a do Arqueiro Verde. E é como pisar em falso e descer uns três degraus de uma vez. A história é monótona, os diálogos são forçados, os vilões são horríveis, e o Arqueiro é chato que dói. Nem os desenhos do Jurgens, que normalmente me agradam, salvam-se. Pena, é um personagem tão interessante. Vale a pena acompanhar? Só porque vem junto com o Flash, senão…

Exterminador - De Volta às Origens: como um vilão casca-grossa, o Exterminador é um personagem que chama atenção. Sem ambições de dominar o mundo, um mercenário praticamente infalível e com problemas familiares. Mas daí a estrelar série própria, não gostei da ideia. A história é mediana, tem seus pontos positivos, além dos negativos. A arte é um dos últimos. Vale a pena acompanhar? Por enquanto.

Próximo review: A Sombra do Batman #1.

\\//_

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Reviews Novos 52: Batman #1

Chegou a vez do review de Batman #1Tanto as bat-séries quanto as séries relacionadas ao Lanterna Verde têm o mesmo problema: sofreram um reboot “light”, pois mantiveram a maior parte da cronologia recente dos personagens. Embora algumas séries estivessem em boa fase, como é o caso das três histórias desta revista, o problema é que a pessoa que nunca leu, ou está voltando depois de muitos anos sem acompanhar quadrinhos, vai ficar perdida, e aí perde-se também o sentido do reboot.

Falando em perder, se você não viu os posts anteriores, veja aqui o da Liga da Justiça #1 e Universo DC #1. Vamos lá:

Batman - Truque com Facas:  a história tem uma boa dose de ação e mistério, e introduz uma saga de muito sucesso nos EUA, da Corte das Corujas. Aliás, esta série do Batman é a mais vendida da DC atualmente. A arte do Greg Capullo é perfeita para o clima da história, embora ainda lembre muito Spawn. Vale a pena acompanhar? Com certeza!

Batman: uma perseguição de tirar o fôlego do morcegão ao seu maior inimigo, o Coringa, com várias demonstrações da louca violência do Palhaço do Crime. A leitura é leve e rápida, mas com uma reviravolta interessante no final, que dá vontade de ler o próximo capítulo pra ver onde vai dar. A arte acompanha o bom ritmo da história, embora eu ache que Tony Daniel é melhor escritor do que desenhista. Vale a pena acompanhar? Enquanto a série mantiver o nível, sim, pois aparentemente ele vai cair.

Batman - Terrores da Noite: muita conversa e pouca ação também podem resultar numa boa história do Batman. Bruce Wayne apresenta seu plano para revitalizar a economia de Gotham City, e é questionado sobre seu envolvimento com o Batman. Parece interessante. No final, mais uma das fugas em massa do Asilo Arkham revela a nova versão de um tradicional inimigo. A arte de David Finch está excelente, ele realmente parece ter nascido para desenhar o morcego, mas isso já era evidente na época em que ele fazia o Cavaleiro da Lua. Vale a pena acompanhar? Sim!

O próximo review é da inédita revista do Flash.

\\//_

domingo, 8 de julho de 2012

GP da Inglaterra 2012

Hoje quem resolveu aparecer em Silverstone foi o Sol. A corrida começou com pista seca, o que com certeza favoreceu uma largada limpa, sem incidentes. Massa largou bem, ganhando uma posição e assumindo o 4º lugar, e ainda pressionou o Shumacher, o 3º. Enquanto o Alonso conseguia manter a ponta, mas sem distanciar-se do Webber, o 2º, Felipe investiu várias vezes para tentar passar o alemão de queixo comprido. Na volta 11, Vettel inaugurou os pits stops regulares. Logo depois, Massa finalmente conseguiu ultrapassar o Shumacher, com uma manobra muito bonita.

Na volta seguinte, Perez tentou passar o Maldonado, mas foi acertado pelo carro do venezuelano. Perez rodou e ficou na grama, enquanto que Maldonado ganhou um pneu furado, além de merecer uma punição. Em seguida, foi a vez do Massa ir aos boxes, conseguindo retornar ainda à frente do Shumacher, que havia parado antes. Porém, Vettel, que foi o primeiro a parar, conseguiu ganhar a posição de ambos. Webber também parou, caindo de 2º para 3º. Na volta 16 o líder Alonso fez sua parada, retornando à pista em 2º. Massa, fazendo uma corrida excelente, conseguiu ultrapassar Rosberg e Button, que ainda não haviam parado, e foi ao encalço do Vettel.

Hamilton permaneceu na pista após todos pararem, indicando que faria uma parada a menos. Ele conseguiu manter a ponta, até que o Alonso encostou. Após ume bela briga, com duas trocas de posição, Alonso conseguiu retomar o 1º lugar. Com excelente desempenho, com poucas voltas o espanhol conseguiu abrir uma boa distância para o Hamilton, que em seguida foi aos boxes. Ele voltou atrás do Rainkkonen, que pressionava o Shumacher. O finlandês conseguiu a ultrapassagem, no que foi imitado pelo Hamilton.

Surpreendendo a todos, na volta 29 Hamilton parou nos boxes novamente, indicando uma mudança de estratégia. Ele voltou atrás do Button, que foi facilmente superado pelo companheiro de equipe. Grosjean também passou o Button, e em seguida já pressionou o próprio Hamilton. Vettel fez seu segundo pit stop, dando a Massa a oportunidade de tentar ser mais rápido do que ele para retornar à frente após a sua parada. Webber parou em seguida, retornando em 3º. Algumas voltas depois, Massa fez sua segunda parada, retornando em 4º e sem conseguir manter-se à frente do Vettel.

Alonso voltou aos boxes na volta 38, retornando ainda em 1º lugar, mas com Webber muito próximo. Poucas voltas depois, os pneus macios do Alonso já começaram a desgastar-se, permitindo que o Webber se aproximasse mais ainda. Faltando apenas 5 voltas, Webber começou a atacar. Embora tenha resistido bravamente, Alonso não conseguiu manter-se na frente, e na volta seguinte Webber passou e assumiu a ponta, indo até o final. Apesar de perder a corrida, Alonso ainda manteve a liderança do campeonato. Vettel completou o pódio, com Massa em 4º. Confira o resultado completo:

1 Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
2 Fernando Alonso (Ferrari)
3 Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
4 Felipe Massa (Ferrari)
5 Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
6 Romain Grosjean (Lotus-Renault)
7 Michael Schumacher (Mercedes)
8 Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)
9 Bruno Senna (Williams-Renault)
10 Jenson Button (McLaren-Mercedes)
11 Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
12 Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)
13 Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
14 Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)
15 Nico Rosberg (Mercedes)
16 Pastor Maldonado (Williams-Renault)
17 Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
18 Timo Glock (Marussia-Cosworth)
19 Charles Pic (Marussia-Cosworth)
20 Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)
21 Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)
Ret Sergio Perez (Sauber-Ferrari)
Ret Paul di Resta (Force India-Mercedes)
DNS Vitaly Petrov (Caterham-Renault)

A próxima corrida é o GP da Alemanha, no dia 22 de julho.

\\//_

sábado, 7 de julho de 2012

GP da Inglaterra 2012 - Treino Classificatório

Embora seja disputada em uma pista que fica literalmente no meio da área rural inglesa, longe dos confortos habituais da cidade grande, e a despeito de comumente ser disputada sob uma persistente chuva britânica, Silverstone não só é um circuito clássico, mas também tem um traçado fantástico, que costuma proporcionar corridas memoráveis. É, sem dúvida, uma das minhas corridas prediletas.

Assim como aconteceu nos treinos livres, o Q1 do treino classificatório também começou com pista molhada, e os carros foram à pista com pneus intermediários. A chuva estava fraca, porém a previsão do tempo indicava que ela aumentaria, então, todos os pilotos foram à pista para dar o maior número de voltas possíveis antes disto. Para contrariar, a chuva diminuiu, e a pista foi secando até o final do Q1, embora não o suficiente para colocar os pneus para seco. Os três melhores foram Vettel, Hulkenberg e Maldonado. E encerraram o treino mais cedo Button (que está em um ano para esquecer até aqui), Petrov, Kovalainen, Glock, De La Rosa, Karthikeyan e Pic. Aliás, Pic ficou acima do limite dos 107%, e só larga amanhã com autorização da direção de prova.

O Q2 começou com a chuva forte que havia sido prometida. Na saída do pit lane, um belo engarrafamento de baratas esperava o sinal verde. Alguns pilotos já saíram com pneus para chuva forte, e os que não o fizeram voltaram aos boxes para isso. Depois de várias rodadas, inclusive de Shumacher, Alonso e Massa, e faltando ainda 6 minutos, a direção resolveu paralisar o treino com bandeira vermelha, devido à chuva torrencial. O treino só foi recomeçar 1h30 depois. Houve alguma especulação se o treino retornaria já no Q3, mas foi decidido concluir os 6 minutos restantes do Q2. Dessa vez, todos voltaram com os pneus azuis, de chuva extrema. Em um final tão emocionante quanto se fosse a disputa da pole, Hamilton, Hulkenberg e Shumacher foram os três primeiros, enquanto que Di Resta, Kobayashi, Rosberg, Ricciardo, Senna, Vergne e Perez encerraram sua participação.

Grosjean rodou na brita no final do Q2, e não participou do Q3, ficando com a 10ª posição. Estranhamente, dessa vez os pilotos não foram todos imediatamente à pista, mas preferiram esperar para ver se já era possível sair de pneus intermediários, o que de fato confirmou-se. Com a pista melhorando bastante, cada piloto que atravessava a linha de chegada marcava o melhor tempo. No final, Alonso conseguiu uma volta fantástica, e larga em primeiro. Massa chegou a ter chance de disputar a pole, mas acabou em 5º. Confira o grid completo:

1. Fernando Alonso (Ferrari)
2. Mark Webber (Red Bull Racing-Renault)
3. Michael Schumacher (Mercedes)
4. Sebastian Vettel (Red Bull Racing-Renault)
5. Felipe Massa (Ferrari)
6. Kimi Räikkönen (Lotus-Renault)
7. Pastor Maldonado (Williams-Renault)
8. Lewis Hamilton (McLaren-Mercedes)
9. Nico Hulkenberg (Force India-Mercedes)
10. Romain Grosjean (Lotus-Renault)
11. Paul di Resta (Force India-Mercedes)
12. Kamui Kobayashi (Sauber-Ferrari)
13. Nico Rosberg (Mercedes)
14. Daniel Ricciardo (STR-Ferrari)
15. Bruno Senna (Williams-Renault)
16. Jean-Eric Vergne (STR-Ferrari)
17. Sergio Perez (Sauber-Ferrari)
18. Jenson Button (McLaren-Mercedes)
19. Vitaly Petrov (Caterham-Renault)
20. Heikki Kovalainen (Caterham-Renault)
21. Timo Glock (Marussia-Cosworth)
22. Pedro de la Rosa (HRT-Cosworth)
23. Narain Karthikeyan (HRT-Cosworth)
DNQ. Charles Pic (Marussia-Cosworth)

A corrida é amanhã, às 9h.

\\//_

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Reviews Novos 52: Universo DC #1

Continuando meus reviews dos Novos 52 da Panini, aqui vão minhas opiniões sobre as séries publicadas em Universo DC #1:

Aquaman - O Fosso, parte 1: eu sempre achei o Aquaman um personagem com um conceito interessante, porém mal aproveitado. Geoff Johns está provando isso, ao escrever histórias com o nível certo de ação, e um humor que aproveita o próprio fato do personagem não ser levado a sério. A primeira história acaba mostrando pouco, mas promete muito, afinal, a série tem sido muito elogiada lá fora. Além disso, a arte de Ivan Reis está fantástica, melhor ainda do que da época do Lanterna Verde. O brasileiro é o melhor desenhista de super-heróis da atualidade, para mim. Vale a pena acompanhar? Se vale, e aguardando ansiosamente pela próxima edição!

Gavião Negro - Gavião em Ascensão: uma história meio confusa que mostra o arqueólogo Carter Hall tentando livrar-se do seu alter ego, o Gavião Negro. Tem algumas ideias interessantes, promissoras, mas parece feita meio às pressas, ou com muita intervenção editorial. A arte é mediana, mas gostei do novo visual do Gavião. Vale a pena acompanhar? Por enquanto, tem potencial para melhorar.

OMAC - Gerenciamento de Caos: outra série que me surpreendeu bastante. Sinceramente, eu não esperava nada de bom do robozão com penteado moicano, mas preciso reconhecer, a história é muito bem contada, a narrativa flui com naturalidade. A trama tem um quê de mistério que nos faz ter vontade de ler a continuação. E a arte, emulando o traço clássico do rei Jack Kirby, está excelente. As máquinas grandiosamente complexas estão todas lá. Vale a pena acompanhar? Depende. A série já foi cancelada nos EUA, o que sugere que a qualidade caiu.

Nuclear - Partícula Divina: a velha briga escolar entre o nerd pobre e o atleta popular que tem tudo faz parte da origem do novo Nuclear. O problema é que, mais uma vez, a história é mal contada, sem ritmo. Além disso, a briguinha adolescente entre os dois Nucleares (ops, spoiler…) é bem chata. E ativar o poder usando uma “palavra mágica” é outra ideia reciclada. Vale a pena acompanhar? Só pela esperança de que fique melhor.

Senhor Incrível - Atualização de Programa: a série mais sem graça de todas que eu li! O Senhor Incrível é um personagem interessante, com boas participações na época da Sociedade da Justiça. Mas essa história parece ser mais uma vítima do que foi a do Gavião Negro, escrita apressadamente ou com muito dedo editorial. E a arte é terrível, pra completar. Vale a pena acompanhar? Dá vontade de pular a história… mas já que vem na revista, fazer o quê.

Falcões Negros:
uma história de espionagem, com uma equipe secreta que possui acesso a tecnologias avançadíssimas. E uma história recheada de clichês da primeira à última página! O chefe da equipe diz que sua base poderia ser invadida usando máquinas nanoscópicas, e o que acontece? Um dos seus agentes aparece contaminado por nanócitos. Puxa, que surpresa… 
Vale a pena acompanhar? Vide comentário anterior.

Mulher Maravilha - A Visitação:
a série da amazona é, sem dúvida nenhuma, a mais exótica de todos os Novos 52. A abordagem dada à personagem é completamente inovadora, ao inserí-la de cabeça na mitologia grega. Até a arte passa essa ideia, com traços algo cartunescos. É uma leitura um pouco estranha, em que se demora um pouco a formar opinião, mas até que gostei. 
Vale a pena acompanhar? Por enquanto, vamos ver aonde isso vai dar.

Próxima edição:
Batman #1. Não perca!

\\//_

terça-feira, 3 de julho de 2012

Dica de jogo para Mac: RC Mini Racers

Um dia desses, explorando a seção de jogos da Mac App Store, descobri um jogo muito bacana: o RC Mini Racers. É um jogo de corrida de carrinhos de controle remoto. Se você conhece o ótimo Re-Volt, um clássico para Windows, vai gostar.


Você começa no jogo com a conta bancária zerada, e apenas o primeiro circuito liberado. Na corrida, você pode pegar itens espalhados na pista, mísseis, minas ou turbo. Atire nos outros carros com os mísseis, ou deixe a mina como um armadilha. Mas lembre-se que os outros competidores podem fazer o mesmo com você!


Ao final da corrida, você ganha bônus em dinheiro pela posição de chegada, voltas mais rápidas, pelas batidas ou explosões provocadas nos outros carros, e até pelo tempo que você passar no ar, ao saltar numa rampa. Com o dinheiro acumulado, você pode comprar a participação nas outras corridas, tunar ou trocar de carro. Você também pode comprar créditos com dinheiro de verdade na Mac App Store, dentro do próprio jogo.


Só há um porém, o jogo tem um defeito: não permite partidas multiplayer, nem pela rede ou pela internet, nem na mesma máquina. Sinceramente, se o jogo permite atirar nos outros participantes, eu gostaria de poder fazer isso com meus amigos. Concorda?


De qualquer forma, ele tem boa jogabilidade, ótimos gráficos e diverte por horas. E o melhor de tudo: corra, que está de graça! A descrição na Mac App Store diz ser por pouco tempo, então é melhor baixar logo. Clique aqui para ir à loja da Apple, e aqui para o site do desenvolvedor.

\\//_

Entrega #Fail dos Correios


Sou assinante, desde abril do ano passado, da revista “Mundo dos Super Heróis”, da Editora Europa, que utiliza o serviço Entrega Direta, dos Correios. Assino mais 6 revistas de outras editoras, e minha esposa assina mais uma. Por conta disto, adquiri uma caixa de correio grande, de cor amarela e escrito “Correio” em destaque. Minha caixa acomoda e protege adequadamente revistas de qualquer tamanho, além de ficar disposta na vertical, de modo que o portão da minha casa não atrapalha o acesso a ela.

De todas as revistas que assinamos, a única que não é colocada na caixa de correio é a da Editora Europa. Por coincidência ou não, é a única entregue pelo carteiro dos Correios. Ele prefere jogar a revista, com todo descaso possível, na parte descoberta da minha garagem, ou embaixo do meu carro. A revista fica exposta a chuva, a animais, a ser atropelado quando chego ou saio de carro, a má intenção de alguém que passe pela rua e apenas estenda a mão para furtar a revista pela qual paguei antecipadamente.

Registrei reclamações no atendimento da editora e dos Correios, na esperança de que ambos tomem providências para que a revista seja entregue adequadamente. Do contrário, prefiro cancelar a assinatura e voltar a comprar a revista em banca. Tenho colecionado revistas, quadrinhos e livros por 25 anos, possuo mais de 4.600 itens catalogados e organizados (no Sala de Justiça), e não posso aceitar receber exemplares novos em mal estado.

Esta situação vem se repetindo por meses, e já reclamei algumas vezes, inclusive ao próprio entregador. Desta vez, além de reclamar nos Correios e na editora, resolvi postar este texto em meu blog, Twitter e Facebook. Não há nada como uma a divulgação do mal atendimento para conseguir a solução de problemas como este!

\\//_

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Reviews Novos 52: Liga da Justiça #1

A Panini começou, neste mês de junho, algo inédito no mercado de HQs mundial: a publicação de todas as revistas de super-heróis da DC. Dizem que o Brasil é o único mercado, fora o americano, aonde isso acontece.

Assim como nos EUA, a revista da Liga da Justiça é a base do universo ficcional de Batman, Superman e companhia. Portanto, é com ela que eu começo minha série de posts, que você poderá acompanhar aqui.

Minha intenção inicial era fazer um review completo, com dados dos autores, sinopse e minha opinião sobre cada história. Mas como as edições número 2 estão quase chegando e eu ainda estou no primeiro review, fiquemos somente com minha opinião. Aí vai:

Liga da Justiça - parte um: o texto é leve e despreocupado, exatamente como uma série mensal deve ser. A arte de Jim Lee está fantástica, como de hábito. Gostei muito da caracterização do Lanterna Verde: a soberba despreocupada de quem tem uma arma fantástica nas mãos, capaz de tornar realidade o menor dos seus pensamentos. E ainda termina com uma gancho fantástico, a cara de desafio do Superman ao encarar Batman e o Lanterna Verde. Vale a pena acompanhar? Com certeza!

Capitão Átomo - Evolução
: uma história meio confusa, mas com bons diálogos. É meio estranho o herói já começar sua história enfrentando a perda de controle dos próprios poderes. A arte é inconstante: o design do Capitão ficou muito legal, mas os cenários e outros personagens estão um tanto “sujos”. Vale a pena acompanhar? Só pela esperança de que venha a melhorar.

Liga da Justiça Internacional - Os Mestres dos Sinais, parte 1: eu gostava muito da série do Gladiador Dourado do Jurgens. Além de muito divertida, trazia um dos meus temas preferidos da ficção científica, a viagem no tempo. Mas parece que ele perdeu a mão totalmente nessa Liga Internacional. A história é chata, corrida e mal contada. Para piorar os diálogos são horríveis, forçados. A arte, num traço que imita o do próprio Jurgens, é apenas mediana. 
Vale a pena acompanhar? Só porque não tem jeito de tirar da revista, pois até no EUA já foi cancelada.

O próximo review é da revista Universo DC #1. Só uma pista: o Aquaman do Ivan Reis é incrível!

\\//_